O regresso da Minardi

1 04 2012

Em 2005 a Red Bull comprou a pequena Minardi. O objectivo desta segunda equipa dos austríacos seria o de ter uma nova base onde testar o valor dos seus jovens, antes de os colocar na equipa principal. Numa equipa que tinha Klien, Liuzzi e Speed para apenas uma vaga, dava bastante jeito algo como a Toro Rosso.

 

E dava ainda mais jeito, porque não traria muitos custos extra, graças à possibilidade dos carros clientes.

No entanto com a abolição dos carros clientes, e com o programa de jovens da Red Bull a apenas apresentar como um futuro campeão Vettel (queimando muitos outros que considerou não serem talentosos o suficiente), Dietrich Mateschitz tem reconsiderado a existência da equipa italiana.

Por essa razão, o austríaco acordou hoje a venda da equipa de Faenza à Aabar, que já detinha acções da equipa (e colocou, entre outros, a patrocínio da Cepsa), que conseguiu garantir a permissão de Giancarlo Minardi, para renomear a equipa para Minardi, e garantir assim um pouco de publicidade extra.

O presidente da Aabar, Mohamed Hamad Al Mehairi, afirmou que “a Minardi sempre foi uma equipa com um grande carinho da parte do público, pelo que me pareceu uma excelente ideia reavivá-la”. O árabe brincou ainda dizendo que “se tivermos maus resultados, podemos sempre dizer que só estamos a cumprir a tradição!”.

O novo nome e identidade apenas serão tomados em 2013, sendo que no que toca aos pilotos se tem especulado com os nomes de Felipe Massa ou Mark Webber, e para o segundo lugar foi garantido que será entregue a um dos actuais jovens da Red Bull (Ricciardo e Vergne).

Veja aqui a conferência em que foi anunciada esta decisão.

 

Anúncios




Touros exigentes

15 12 2011

À algum tempo atrás escrevi um post em que tinha mostrado o meu desprazer para com a Red Bull. O principal problema, para mim, dos austríacos é o facto de não terem qualquer ligação ao mundo automóvel, ou seja, caso os resultados desapareçam não será muito provável que Dietrich Mateschitz continue a financiar a equipa. Simplesmente não existirão quaisquer impedimentos de tradição ou de necessidades de justificar o envolvimento.

O que dizer então da segunda equipa, a Toro Rosso?

2006, o primeiro ano da Toro Rosso.

Quando a Minardi foi comprada em 2005 pela Red Bull, foi decidido que a equipa se tornaria a equipa B deles, o que significaria que os pilotos da equipa eram os principais candidatos a vagas que pudessem abrir na equipa principal. Os escolhidos para os dois primeiros anos foram Liuzzi e Speed.

O primeiro não tinha tido a oportunidade prometida em 2005 (quando era suposto ir trocando com Klien), e por isso a primeira vaga foi sua. Tonio acabou por não corresponder às expectativas e no fim de 2007 não lhe renovaram o contrato. Sempre foi uma melhor experiência que a de Speed, que a meio do segundo ano foi despedido por não ser particularmente rápido, e muito….. americano.

Depois disso, mais 4 passaram pelo lugar de titular. O melhor de todos foi claramente Vettel. O mais novo bi-campeão mundial foi talvez o único caso de um piloto verdadeiramente excepcional na equipa. O alemão foi até agora o único promovido. Bem se queixou Alguersuari este ano que a renovação de Webber era mais um atraso na “ascensão” na F1.

É que a fé no programa de jovens da Red Bull tem que ser mesmo total. O que eu estou a tentar dizer é que não pode haver qualquer contacto entre os seus pilotos e outras equipas. Na maior parte das ocasiões fica complicado aos jovens “touros” de conseguirem safar-se caso fiquem sem o seu lugar.

Vettel, o único exemplo de sucesso.

Daí que se possa concluir que o que os italianos fizeram ontem a Buemi e Alguersuari foi simplesmente uma vergonha. Se não iam aproveitar nenhum deles, apenas estiveram a mostrar-lhes um osso ao longo do ano (permanência) para depois o darem a outros dois. E a juntar a isto ainda esperaram pela altura em que quase todos as vagas no mercado estão fechadas, e as poucas que sobram são concorridas por pilotos com apoios grandes.

Bem se pode compreender, por exemplo, como Felipe Nasr recusou a oferta de integrar a academia de jovens da equipa. É que embora dêem a hipótese de ingressar na F1, quando lá chegam são autênticos reféns de Helmut Marko, que apenas vê à sua frente os campeões e o resto (esteve mesmo para despedir Vettel, quando ele “só” chegou em 5º na sua primeira temporada de F3…). Para além do tratamento de lixo quando já não os querem (como o despedimento de Bourdais por SMS).

Os escolhidos para substituir os dois titulares de 2011 foram Daniel Ricciardo, que já estava em preparação na HRT; e Jean-Éric Vergne. Estou a torcer pelo australiano, que está sempre a sorrir, e ainda porque o Vergne já se tinha começado a armar em bom à uns meses, a dizer que era tão bom quanto Webber…

Ricciardo e Vergne, os novos recrutas.





Veio para ficar?

21 10 2011

Para quem não sabe, o Bernie Ecclestone anda muito feliz da vida. E como qualquer fã de Fórmula lhe pode dizer, sempre o Tio Bernie está contente convém tomar cautelas, porque coisa boa não pode ser…

E com razão, o problema atual é que as equipas estão em desacordo, de tal modo que a unidade da FOTA pode mesmo ser colocada em causa devido ao Acordo de Restrição dos Recursos (RRA no inglês). Resumidamente o que aconteceu foi que se iniciaram suspeitas sobre a Red Bull, que alegadamente teria quebrado esse acordo, o que ajudaria a explicar em parte o domínio que têm exercido nas corridas.

O RRA foi importante para uma equipa como a Red Bull poder competir com equipas como a Ferrari, McLaren ou Mercedes e somos totalmente favoráveis a que seja promulgado. Mas é evidente que, quando uma equipa tem o desempenho que a Red Bull tem tido, a paranoia intala-se entre algumas das suas rivais e é a isso que estamos a assistir“, disse Christian Horner.

Quanto tempo até Mateschitz não achar piada à F1?

Se é bastante provável que ele tenha razão, levanta-se aqui uma importante questão: será que se pode levar a Red Bull a sério? Os fãs dos austríacos podem não gostar da pergunta, mas vamos refletir um pouco. Imaginemos que, por uma sucessão de acontecimentos, Newey e Vettel tivessem decidido ir para a Sauber, e esta tivesse o domínio que hoje tem a Red Bull. Seria certo e garantido que Peter Sauber se poderia reformar feliz da vida, enquanto a sua equipa continuaria muitos e muitos anos no campeonato.

Mas poderemos dizer o mesmo da atual bi-campeã mundial?

No fundo o que é a Red Bull para além de uma marca que aproveita as performances em pista para publicitar uma bebida? Ainda por cima sem qualquer ligação com o automobilismo… A dúvida que acaba por ficar em toda a gente, é se realmente poderemos contar com uma equipa que possivelmente não estará cá daqui a 10 anos!

É certo que são bons os passos dados pelos de Milton Keynes, como a ampliação da colaboração com a Infiniti, mas quando os tempos de vitórias forem (e em todas as equipas, mesmo que volte, há sempre uma altura em que se vai embora) o mais certo é Dietrich Mateschitz se farte e venda a equipa.

Mateschitz tem investido fortemente nos desportos, com particular incidência no automobilismo, mas é mais para deixar a marca Red Bull na mente dos jovens (público-alvo), e não verdadeiramente por espírito desportivo… Enfim, pode ser que me engane, mas tenho impressão de que num futuro não tão distante vão vender tudo à Infiniti. Fica aqui o palpite, vejamos como acontece.