Os privados contra-atacam – e-Prix Puebla 2021

21 06 2021

Com o calendário de Fórmula E a passar por alterações en media res, nomeadamente com os cancelamentos das provas de Marraquexe e Santiago, a categoria optou por preparar a realização de uma variedade de provas duplas para a segunda metade do campeonato com uma pausa de um mês após o e-Prix do Mónaco. A primeira destas provas será o e-Prix de Puebla.

Estreante na categoria, Puebla será a ronda mexicana do calendário desta temporada, substituíndo a habitual ronda da Cidade do México por o circuito Hermanos Rodríguez estar ocupado para prestar auxílio ao combate à pandemia. Tal como o seu antecessor, este e-Prix contará com a utilização de um circuito permanente na sua génese.

Neste caso em particular será o Autódromo Internacional Miguel E. Abed, segundo circuito do país a receber homologação FIA. Localizado noutro estado mexicana a sensivelmente 130 km da capital, Puebla foi inaugurado como um road course em 1985. Um ambicioso e tosco plano de melhorar a pista em 1995, destruíndo o traçado e montando uma oval, acabaram por relegar a pista a um estatuto secundário, até que novos investimentos em 2005 levaram à criação de um traçado interior, que abriu a possibilidade de criar traçados mistos. Isto revelou-se fundamental para atrair o campeonato do WTCC entre 2005 e 2009.

Ainda assim, o relacionamento com a categoria de turismos revelou problemas. Após a primeira prova a pista fez alterações aos muros da secção interior (para mais longe), com direito a algumas queixas de pilotos pelo poeira da pista. A nova superfície de pista para 2006 só esteve pronta alguns dias antes da prova, o que, claro, criou condições terríveis (a destruição do alcatrão foi tal que os pilotos começaram a usar os corretores o mais possível para evitar danos nos carros). Um não-cumprimento de alterações à pista levou-a a não aparecer no calendário de 2007, mas regressou em 2008 e 2009, já com menos sobressaltos. Em 2010 a ideia fora continuar, mas problemas de segurança desta região do México levaram os organizadores a não se conseguirem comprometer com a segurança dos visitantes, dando azo ao cancelamento.

Sediando maioritariamente provas internas (como as 24 Horas do México), o traçado do e-Prix seria a versão Internacional Curta de 2,9 km de volta. A grande alteração entre os pilotos foi a estreia de Joel Eriksson pela Dragon Penske, devido ao facto de Nico Müller estar ocupado ao serviço da Team Rosberg no DTM.

Ronda 8 – e-Prix de Puebla (1) 2021

De barreiras colocadas bem próximas à pista apesar de ser um circuito “normal” e com uma zona de Attack Mode diferente do habitual (usando uma secção completamente diferente de pista como uma volta joker), o circuito de Puebla mostrou uma apetência por provocar erros aos pilotos durante os momentos de ação em pista.

Três pilotos em particular descobriram o pior cenário possível após a ativação do Attack Mode. Após o uso da zona longa da pista os carros regressavam no exterior da curva regular, o que atirava os adversários diretamente para o caminho de quem ativara o seu boost. Jean-Éric Vergne, Sam Bird e Nick Cassidy acabaram por receber empurrões à sua secção dianteira que lhes destruiu a suspensão.

Alguém que não cometeu erros de qualquer espécie foi Pascal Wehrlein. O alemão fez pole position com total segurança e soube liderar a quase totalidade da prova com uma facilidade raramente vista na história da Fórmula E, mesmo com os períodos de Safety Car. Só que a Porsche tinha infringido uma norma técnica (relacionada com a alocação de pneus) antes do e-Prix ter ainda começado, e Wehrlein cruzou a linha de chegada em primeiro só para se ver desclassificado segundos depois. A mesma infração foi incorrida pelo colega de equipa Lotterer e por ambos os Nissan.

Quem apanhou os restos deixados na mesa foi a Audi. Os alemães, que vão abandonar a categoria no final do campeonato, não triunfavam há dois anos e conseguiram fazer inclusive uma dobradinha, liderada por Lucas di Grassi. O brasileiro juntamente com René Rast tinham-se qualificado no final do top 10 mas na corrida mostraram possuir um tremendo ritmo, subindo lugar após lugar até ao triunfo. O último desses adversários ultrapassados foi Edoardo Mortara, que brilhou para levar o seu Venturi até ao último lugar do pódio. Há muito que o suíço merece ter melhor material nas suas mãos.

A Mercedes e a Jaguar qualificaram-se mal mas conseguiram acumular importantes pontos na prova (mesmo Nyck de Vries, abalroado por Robin Frijns), enquanto António Félix da Costa soube manter-se o mais possível fora de perigo para ser o candidato ao título que mais faturou no sábado.

Quem continua a não ser capaz de mostrar consistência foi a BMW i Andretti, que viu Maximilian Günther desaparecer dos lugares pontuáveis na reta final da prova e Jake Dennis ter a vida complicada pelo último Safety Car (quando era dos poucos que ainda não ativara o segundo Attack Mode). Destaque ainda para a boa performance de Alexander Sims no seu Mahindra.

—–

Resultado: 1. di Grassi \ 2. Rast \ 3. Mortara \ 4. Sims \ 5. Dennis \ 6. Félix da Costa \ 7. Vandoorne \ 8. Evans \ 9. de Vries \ 10. Lynn (Ver melhores momentos)

—–

Ronda 9 – e-Prix de Puebla (2) 2021

Com a Porsche a gracejar nas redes sociais sobre quais eram os seus pneus, seria de pensar que na segunda prova a equipa alemã não voltaria a ter problemas com os comissários, mas não foi assim. Wehrlein voltou a brilhar, ainda que desta vez se tivesse que contentar com o 2º lugar, chegando a levantar o troféu no pódio, só que mais uma vez estava sob investigação por uso excessivo de energia. A boa notícia foi que foi ilibado dessa ofensa. A má notícia foi que a FIA descobriu que tinha ocorrido uma infração no uso do seu Fan Boost, que o fez perder duas posições na classificação final.

Quem desta vez fez uma exibição imperiosa foi Edoardo Mortara. O suíço deu-se muito bem com a pista mexicana e soube fazer uso de uma ótima qualificação (e, tal como vários outros pilotos, de uma utilização muito antecipada de ambos os Attack Modes a que tinha direito) para se catapultar para a liderança, de onde não voltou a sair ao segurar Wehrlein até ao fim. Jérôme d’Ambrosio, um dos dirigentes da equipa, já fez questão de acalmar as hostes por o seu piloto liderar o campeonato, recordando que a Venturi é uma equipa privada e com menos recursos que os rivais. A reestruturação da equipa por Susie Wolff, o talento de Mortara e os motores Mercedes poderão, no entanto, tornar o conjunto num dos mais perigosos do grid

Atrás de Mortara chegaram dois britânicos, Nick Cassidy e Oliver Rowland. Cassidy conseguiu o primeiro pódio na categoria (tendo já feito a primeira pole em Roma) nesta temporada de estreia, e Rowland tem continuado a impressionar face ao experiente colega de equipa ao dar preciosos pontos à Nissan, que está apenas em 10º no mundial de construtores. Os BMW também somaram pontos, com Jake Dennis a superiorizar-se na tabela a Maximilian Günther devido às impetuosidades excessivas do alemão.

A qualificação por grupos tem baralhado o grid a ponto de começar a parecer uma autêntica lotaria para os líderes do campeonato. Frijns, Félix da Costa, Evans, Bird, Vandoorne e de Vries viram-se a partir da segunda metade do pelotão em ambas as provas, sofrendo com a luta por posição na confusão. De Vries, por exemplo, foi atingido por di Grassi e Félix da Costa foi um de dois ou três pilotos que correram com pedaços de publicidade presa ao carro (devido ao incidente Lotterer-Sims) até fazer um erro e terminar no muro. Os Techeetah não tiveram um bom e-Prix no geral, porque Jean-Éric Vergne também perdeu controlo do carro e acabou apenas em 8º.

A ronda de Nova Iorque ocorrerá dentro de 3 semanas, num traçado que se espera ter menos poeira e remendos.

—–

Resultado: 1. Mortara \ 2. Cassidy \ 3. Rowland \ 4. Wehrlein \ 5. Dennis \ 6. Lynn \ 7. Günther \ 8. Vergne \ 9. Evans \ 10. Rast (Ver melhores momentos)

Campeonato: 1. Mortara (72) \ 2. Frijns (62) \ 3. Félix da Costa (60) \ 4. Rast (60) \ 5. Evans (60) —– 1. Mercedes (113) \ 2. DS Techeetah (110) \ 3. Jaguar (109) \ 4. Audi (99) \ 5. Virgin (96)

—–

Corrida anterior: e-Prix Mónaco 2021
Corrida seguinte: e-Prix Nova Iorque 2021

—–

Fontes:
DAZN \ JOEL ERIKSSON JOINS DRAGON PENSKE TO REPLACE NICO MULLER
Motorsport \ Penalização de Wehrlein
Poblanerías \ Conoce los detalles para la carrera de Fórmula E en Puebla
Racing Circuits \ Puebla
– Wikipedia \ Autódromo Miguel E. Abed


Ações

Informação

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s




%d bloggers like this: